quarta-feira, 22 de abril de 2015

A chegada do Vitor!

No início de 2015, eu comecei um curso de fotografia! Um desejo que sempre esteve comigo, porém o valor do investimento era (e ainda é) algo que me preocupava bastante... Mesmo assim, resolvi arriscar e comprei uma câmera semi-profissional, paguei os dois primeiros módulos do curso (iniciação e aprofundamento a fotografia) e parti para as aulas! =D

Confesso que é ao mesmo tempo, maravilhoso e frustrante. Primeiro, por estar realizando um sonho e segundo por saber que é algo muito caro e que leva muito tempo para se ter retorno, e no momento, não é minha prioridade investir em equipamentos tão caros... Gostei tanto, que terminei os dois módulos e resolvi fazer o terceiro, que ensina a tratar as imagens com um programa específico para fotógrafos.

Nesse meio tempo, uma amiga engravidou, e eu, intrometida, fui logo sugerindo a ela, que fizéssemos um ensaio fotográfico. Ela topou e ainda se emocionou com "meu presente"! Afinal, ela estaria ganhando fotos "lindas" e eu estaria treinando!

Confesso que fiquei bem insegura, pois foram minhas primeiras fotos sem a professora ao meu lado... Fiquei com muito medo de decepcionar! Mesmo assim, ontem, Feriado de Tiradentes, fomos para a Urca, eu, a mamãe Elisa, o papai Vinícius, o Vitor que está quase chegando e o Rafa, marido lindo que me deu todo apoio!!!

Queria agradecer a Elisa, que confiou, desde o início em mi, ao Vinícius, que foi um modelo exemplar e um papai super paciente, e ao meu marido por todo apoio e dedicação.

Vitor, não vemos a hora de te conhecer! Que você traga muitas alegrias para sua família linda! =D

E o resultado vocês veem agora! Espero que gostem!












sexta-feira, 10 de abril de 2015

Um dia a gente cansa...

Li, gostei, me identifiquei e compartilhei!

"Um dia a gente cansa. Cansa de tudo um pouco. Cansa até de se cansar. E no meio dessa “canseira” toda,  resolve jogar pro ar. Liberdade maior não há!

A gente cansa das mesmas perguntas chatas. Cansa das cobranças, inclusive aquelas “berradas” em silêncio, que a gente sente só pelo olhar. A gente cansa de seguir script, de tentar agradar, de tentar se adequar.

Cansa dos amigos que não são tão amigos assim. Cansa de gente que só sabe sugar. Cansa de quem “não importa”, cansa de quem já importou e cansa até de quem “deveria” importar. A gente cansa, cansa sim. Cansa dessa mania de “boa vizinhança”, dessa diplomacia forçada, de toda essa hipocrisia fantasiada de boa educação.

E a gente cansa, cansa de muito mais. Cansa de se explicar, de se importar, de procurar, de aceitar, de tolerar… Cansa do “mais ou menos”, do que é morno, do que não faz o coração vibrar.

E quando a gente cansa, aí é hora de jogar tudo pro ar! As conveniências vão pelo ralo e só fica mesmo o que for bom, o que faz bem. A gente muda de vida, muda o mundo se preciso for, mas joga mesmo pro ar.

Troca de emprego, troca de “amigos”, muda de casa, de cidade ou de país,  aprende a dizer não, a dizer “basta”, a sustentar um “comigo não”! A gente muda e foca no que é realmente  importante. Olha pra dentro, bem fundo pros próprios quereres, e aprende a se respeitar.

E quem se respeita, mas se respeita de verdade, não se importa com todo o julgamento de quem (ou o que) foi “jogado pro ar”. E não, isso não é arrogância nem surto, é o “encontro” mais bonito que há: o encontro entre a “pessoinha de fora” com o gigante que mora dentro e que precisava se “libertar”.

E é desse encontro que nasce, depois de toda essa canseira, a melhor coisa que há: a integridade de ser o que se é, fazer o que quiser e construir, sem máscaras nem personagens, a vida que a gente quer.

P.S: que você se canse, com toda força do mundo, de tudo aquilo que não seja bom, que não seja bem, que não seja o que você é, o que você quer."



 Créditos: Blog Juro Valendo

terça-feira, 24 de março de 2015

Porque sem emoção não tem graça!

Aqui a vida tem que ser com emoção, caso contrário não tem graça!

Em quase 5 anos de relacionamento, já passamos por duas mudanças de casa, 2 cirurgia de hérnia inguinal, um casamento, e agora a mais nova novidade!

Não tão nova assim, pois já estamos lidando com isso a quase 1 ano!

É assim... Deixa eu começar pelo início!

Desde a última cirurgia de hérnia, em agosto de 2012, surgir na virilha do Rafa, um nódulo. Mas como estávamos atolados de tarefas com o casamento, e como ele não sentia nada, deixamos pra ver o que seria depois que tudo se ajeitasse.

Daí que o casamento passou, nós nos mudamos, e no início de 2014, o Rafa foi ao médico ver o que era o tal nódulo... Cutuca daqui, faz radiografia, ultrassom, cutuca mais um pouco, até que resolveram fazer uma biópsia, pois o tal nódulo, era um gânglio linfático que estava alterado demais.

Dia das mães de 2014 passou e o resultado chegou... Linfoma Não-Hodking! Nome chique, né!?

Para os desprovidos de conhecimento científico, como eu...O Rafa foi diagnosticado com um câncer no sistema linfático. E o tratamento seria a quimioterapia.

É claro que ficamos muito perdidos com tudo isso... Até entendermos o que significava, quais as chances de cura, como seria o tratamento, ficamos muito apreensivos. Afinal, câncer não é igual a um resfriado.

Confesso, que chorei muito! Que me desesperei diversas vezes... Mas nunca achei que não teria cura. Afinal, esse é um dos tipos de câncer com maiores chances de cura, principalmente se descoberto em estágios iniciais, como foi o nosso caso.

Meu maior medo, era em relação ao tratamento... Pois tudo ainda era muito novo.

Junho chegou e com ele a primeira sessão de quimioterapia. Dormi com ele no hospital, revezei com minha sogra, chorei em casa sozinha... E assim, os três dias de internação se passaram. Ele voltou pra casa, e os enjoos duraram poucos dias. E a vida voltou ao "normal". 

Nada de comidas cruas, comidas de rua, nada de lugares cheios, nada de nada... Ele ficou praticamente isolado. Com medo da imunidade baixar, só saímos de casa se for ao hospital, ou visitar a família, desde que alguém busque e leve-o de carro. As visitas estavam restritas a poucas pessoas. Os cabelos começaram a cair depois da segunda sessão. Remédios e mais remédios foram tomados diariamente.

Passamos por 6 sessões, de junho a outubro... A quimioterapia foi um sucesso, apesar dos pesares! Agora é acompanhar durante 5 anos, que é quando poderemos dizer se ele está curado...

Estamos muito gratos a Deus pela oportunidade que Ele nos deu. Afinal, tantas pessoas sofrem por não ter acesso aos Hospitais e aos medicamentos, e NÓS TIVEMOS A MÃO DE DEUS EM TUDO!

Sei que tudo acontece por um motivo, e que Deus tem planos para nossas vidas, que não somos capazes de compreender. Mas eu creio que tudo isso, servirá para nos tornar mais fortes e mais unidos.

E vamos à luta!


segunda-feira, 21 de julho de 2014

Tantos rascunhos e nenhum post...

Tenho cerca de 10 posts salvos no rascunhos... Tudo sobre um monte de coisas! Mas nada concluído... 

Coisas que só gostaria de divulgar quando realmente acontecessem... Mas que por enquanto não sei quando será possível realizá-las! =/

Tanta coisa aconteceu... Tantos planos adiados... Tanta fé, tanta esperança, tanta frustração, tanta tristeza, tanto agradecimento... Tanta coisa!

Só penso na hora de "transformar o nosso rascunho em arte final!"

sexta-feira, 28 de março de 2014

Não sou índia, só quero respeito!

Quem me conhece sabe o meu desejo e os meus planos de ter um parto natural, sem nenhuma ou com o mínimo de intervenções possíveis.

Isso não quer dizer que eu seja ativista, pregadora, xiita, a chata do parto natural... Eu entendo muita coisa, aprendo e leio muito sobre isso, e tenho conhecimentos que a maioria das pessoas não tem sobre esse assunto. 

Interiormente eu me sinto muiiiiiito orgulhosa por ser uma mulher conhecedora dos meus diretos como mulher e parturiente, pensar "fora da caixinha" e emponderada, ou seja, tenho orgulho de saber que EU detenho o poder sobre o MEU corpo e que vou buscar isso na hora do meu parto!

Mesmo assim, apesar de tudo que EU sei, EU penso, EU desejo e EU planejo pra minha vida materna, nunca julguei ou tentei convencer nenhuma mulher por pensar ou querer algo diferente de mim. Por muitas vezes tentei explicar, por exemplo, as reais indicações para uma cesárea, ou o que significa violência obstétrica... Entretanto, hoje em dia, acho que nem isso eu tenho feito... Ouço diversas coisas que contradizem tudo o que penso, mas respiro fundo e sigo em frente, pois sinceramente, tentar mudar as pessoas, cansa, e às vezes a ignorância é uma bênção!

Mas isso tudo porque hoje na hora do almoço, numa conversa informal, repleta de risadas, brincadeiras e zoações, resolveram me zoar sobre isso, dizendo que eu, quando entrasse em trabalho de parto, iria para o meio do mato, colocar um paninho no chão e pronto, iria parir ali mesmo, ou então eu entraria numa banheira e "ploft, nasceu!", comentários carregados de preconceito, falta de informação e críticas sobre minhas escolhas...

Aquilo me deixou tãããããão chateada, que minha vontade era levantar da mesa e voltar para minha sala. Os meus olhos se encheram de lágrimas, e eu esperei todos terminarem de zoar, e resolvi desabafar... Falei que eu não julgo ninguém sobre suas escolhas com relação a isso, e sinceramente estava muito chateada por eles falarem daquela maneira, afinal, aquilo era e É uma escolha MINHA, e eu gostaria que todos respeitassem. Graças a Deus tenho amigos muitos legais, e na mesma hora todos se desculparam e o assunto mudou, e assim todos voltaram a rir e brincar, e a vida continuou como deveria ser!!!